A bola de Cristal do Treinador

“Vou conseguir fazer tal tempo na minha competição?”, essa é a pergunta que eu mais ouço como treinador. Ficaria rico se ganhasse R$1 para cada vez que a respondo.

Ao chegar perto de sua prova alvo é comum que todo atleta fique um pouco mais nervoso em relação ao seu objetivo. E eu como treinador, percebi que alguns pontos são muito importantes para acertar essa resposta. É como conseguir ver o futuro, mas ao invés de ter uma bola de cristal, trabalho com dados, números e análises de meus atletas.

Treinador Viiva Assessoria ESportiva
Minha experiência com treinador e atleta, permite uma maior acertividade na avaliação das metas e objetivos dos atletas

Deixe-me apresentar os pontos importantes para a consolidação do seu objetivo.

 

1- Constância nos treinos

Olhe para as suas últimas 6 semanas de treino. Você foi constante na realização dos treinos? Você teve variações no volume maiores do que 20-25% de uma semana para outra. Não adianta ter mantido uma média de 8h de treino nas ultimas 6 semanas, mas ter realizado semanas com 14h e semanas com apenas 4h.
Como treinador, percebo que os atletas que tem mais sucesso são aqueles que conseguem se manter treinando de maneira regular nas últimas 6 semanas que antecedem a prova. Para provas longas, essa constância se estende para 10-12 semanas, já que o volume de treino, nesses casos, passa a ter mais importância, e isso aparece principalmente nos quilômetros finais da prova..

2- Intensidade Correta

Muitas vezes os atletas cumprem a duração ou a distância prescrita na planilha, mas pouca atenção dão ao ritmo proposto.
No planejamento do treinamento, eu como treinador, calculo as porções corretas de cada faixa de intensidade que irei submeter o meu atleta, e se o atleta não presta atenção nesse importante detalhe, prejudica a sua evolução, já que deixa de estimular determinados componentes da sua fisiologia o que impacta negativamente a sua performance.
É muito comum atletas quererem treinar forte o tempo todo, mas esse nem sempre é o caso.

Billat em 1999 usou três grupos de atletas altamente treinados (VO2mx > 71ml/km/mmin) para testar a eficácia do treinamento intervalado em diferentes proporções.
No estudo, um grupo treinou em baixas intensidades (abaixo do ponto de esforço onde sua respiração muda – chamado de limiar ventilatório), um grupo 83 por cento em baixa intensidadel e 17 por cento alta intensidade, e o terceiro grupo 50 por cento alta intensidade e 50 por cento baixa intensidade. Nesse estudo alta intensidade foi classificado como intensidades acima de 91 por cento da frequência cardíaca máxima. As descobertas vão te chocar:

  • O primeiro grupo que treinava apenas em baixa intensidade, não apresentou alteração em seu condicionamento físico,
  • O segundo grupo, que treinava apenas13% do seu volume forte, conseguiu uma melhora de 1,5% (o que é algo extremamente significante em se tratando de atletas altamente treinados)
  • Já o terceiro grupo apresentou uma piora de 2,5% em seu rendimento no mesmo período.

Isso se explica, pelo fato de que os atletas que treinaram mais tempo em alta intensidade se sobrecarregaram e evitaram que seus organismos conseguissem evoluir. Impressionante, não?

 

3- Familiaridade com o Ritmo de prova

Para conseguir competir em um determinado ritmo é preciso que eu consiga fazer esse ritmo durante os treinos.
No entanto, o como eu realizado esses ritmos influencia muito o resultado final da prova.

Você executa o ritmo almejado totalmente exaurido e com muito desgaste, ou consegue manter o ritmo forte e ainda sim pensar em manter uma postura relaxada e com uma boa técnica.

Os atletas que executam os treinos intensos da segunda forma, tem mais chances de conseguir manter o ritmo na sua prova.

4- Durabilidade

No começo da temporada é comum que os atletas fiquem doloridos após os treinos mais puxados, isso é muito mais comum entre os triatletas e corredores. Mas com o passar das semanas os mesmos treinos de alta intensidade geram cada vez menos desgaste nas pernas. Sentir-se “mais forte” com o passar das semanas é um ótimo indicador que o seu corpo está evoluindo.

 

5- Alimentação

Embora seja possível treinar com uma alimentação aquém do ideal, será mais difícil atingir o seu potencial comendo porcarias.
A alimentação é fundamental para dar energia para os treinos, e fornecer nutrientes necessários para a reparação corporal após os treinos. Quem se alimenta melhor, recupera mais rápido, e assim treina a próxima sessão coma mais qualidade, e isso ao longo do tempo, resulta em uma melhora mais expressiva. Quem come melhor fica menos doente, e assim interrompe por menos tempo a sequência de treinos.

Para quem faz provas longas, a alimentação durante a prova é um fator limitante bastante importante. Nosso organismo possui energia estocada para que você consiga se exercitar de maneira intensa por não mais do que 2h. Acima disso é preciso suplementar a aliemntação e hidratação durante a prova.

6- Foco e Atitude Mental

Uma coisa que aprendi ao longo dos anos é que não existe a prova perfeita. Todo vez algo irá dar errado e você precisará manter o foco e superar os pequenos percalços que por ventura surjam no meio do caminho. Atletas de sucesso sabem manter o foco e continuar lutando mesmo com todas as adversidades.

Acertando a resposta

 

Para responder a pergunta se você vai ou não atingir o seu tempo alvo precisamos avaliar os pontos acima.

  • Se você “gabaritou” todos os pontos acima. Entre de cabeça em seu objetivo e saiba que você está bem preparado.
  • Se você falhou em 1 ou 2 pontos, ainda há uma boa probabilidade que você consiga atingir o seu objetivo, mas provalvelmente irá ter que “ralar” um pouquinho mais durante a prova para conseguir conquistá-lo.
  • Se falhou em 2-3 pontos, provavelmente você terá que reajustar o seu objetivo. Talvez você não consiga atingir o seu objetivo e precisa estar aberto para reajustar suas expectativas ao longo da prova, caso as coisas comecem a desandar. Nesse caso é muito importante que você comece a prova em um ritmo um pouco mais lento, e reajuste o seu nível de esforço de acordo com o que sentir durante a prova. As vezes é melhor diminuir o ritmo e chegar, do que correr o risco de quebrar e não terminar a prova.
  • Se você falhou em mais de 3 pontos, provavelmente não estará preparado para atingir o seu objetivo, mas mesmo assim, com uma atitude positiva e um ritmo bem mais conservador, você talvez consiga terminar a sua prova.

É claro que esse texto emite apenas minha opinião como treinador, e em nenhum momento estou dizendo que você pode ou não pode superar suas metas esportivas. A única coisa é que, com minha experiência como treinador e atleta, consigo enxergar com uma maior acertividade a probabilidade de um atleta evoluir, atingir suas metas e ter uma experiência positiva com o esporte.

Assessoria Esportiva Viiva

 

Se você se interessou por nossos programas de treinamento e quer conversar sobre seus objetivos, você pode entrar em contato por aqui. Eu e minha equipe iremos prontamente conseguir atendê-lo e indicar a melhor recomendação de treinamento para você.

Nós da Viiva acreditamos que todos podem ser atletas, e mesmo os atletas amadores merecem o melhor treinamento possível baseado em evidências científicas.

Treine com a gente!

Assine nossa lista e recebe nossos artigos em seu email.